Breaking

Relacionamento | Traição | Por Que?

   Ela é alvo de artigos nas revistas, tema de piadas nos programas humorísticos e tem inclusive citação Bíblica, não sendo um assunto novo, mas que sem dúvida alguma é razão de discussão e polêmica sempre que se torna centro das discussões. A traição conjugal representa para muitos um trauma, assunto delicado a ser discutido e nada agradável de ser lembrado por envolver pessoas cujos relacionamentos foram interrompidos ou mesmo a confiança no cônjuge tenha sido abalada. Em alguns casos as feridas emocionais são tão profundas que fazem com que muios deixem de acreditar na Instituição Casamento. Destas decepções um número enorme de pessoas tem dificuldade de envolver-se em novas relações ou dar crédito ás novas relações.
  A traição, seja ela de qualquer natureza é um erro gravíssimo, sem justificativa e sem precedentes, mas que não justifica um outro erro: O de imaginar que a falha de caráter de um, esteja presente em todas as pessoas. Se fôssemos pensar desta forma e levar ás ações este pensamento, fatalmente não haveriam mais namoros, noivados e casamentos. Um outro erro que aqueles que foram traídos comete é achar que são eles os culpados(as), quando na verdade ninguém pode ser culpado da falta de caráter de terceiros. Afirmar qualquer coisa na tentativa de justificar-se por ter traído é tão absurdo quanto a própria traição. Mas e o amor, como fica nisto tudo? Pois é, ai começa a nossa jornada para entendermos como a lógica do amor funciona e como ele pode resgatar um relacionamento fadado á dissolução.
  Talvez não caiba na sua cabeça, sequer lhe passe pela ideia perdoar alguém que trai, mas está ai o paradoxo escondido nesta ação. Trair é errado, não há a menor dúvida disto, mas será que uma traição não merece ser perdoada? Racione sobre isto sobriamente, de maneira calma, sem deixar-se envolver pelas emoções. Qual a máxima do amor quanto ás relações humanas, não é perdoar? O perdão não faz parte do caráter divino e não é um dos mandamentos de Deus? Um erro é trair e o outro é não perdoar, afinal porque nós não nos consideramos traidores, não significa que um dia também nós não possamos trair. Está no perdão a concepção da paz para a alma, da libertação não só daquele que perdoa, mas também de quem é perdoado. O perdão representa o zerar da conta e o reinício, o recomeço á partir do zero da relação.
  Mas existem casos em que não dá para manter o relacionamento e salvar o casamento? Sim, claro que existe, mas isto não significa não perdoar.  Há casos em que a reincidência não permite a continuidade do relacionamento devido ao enorme número de repetições da infidelidade, o que torna frágil qualquer laço afetivo e acaba por eliminar todas as tentativas de resgatar a confiança e manter a segurança na relação. Porém é preciso esgotar-se as tentativas antes da dissolução definitiva, mesmo porque em muitos casos há toda uma vida que foi construída juntos, filhos envolvidos e laços que foram criados e que não serão esquecidos de forma tão fácil. Eu não estou aqui tentando estabelecer parâmetros para você, cada um conhece seu próprio limite e o grau de aceitação para cada coisa. Tudo que estou fazendo é um pedido de que haja mais racionalidade e menos emoção na tomada de uma decisão tão importante quanto a separação definitiva, lembrando que isto vale para homens e mulheres e ressaltando que a traição não é um privilégio apenas de homens.
  Independente do que diz aquela canção ou da forma como aquele humorista trate da questão, este problema é de foro muito íntimo e  individual e cada um deve procurar agir da maneira mais prudente e sensata possível visando preservar a integridade física do outro. Não se pode fazer da vida moeda de troca, banalizando a existência como se ela fosse descartada. Tentar resolver um erro cometendo um crime não resolve coisa alguma, pelo contrário, vai trazer problemas para todas as partes envolvidas e aqueles que a cercam. Antes de pensar em fazer qualquer ato tresloucado e insano, pense nos seus filhos, eles não te traíram e independentemente do casal estar junto, eles precisam de ambos para lhes dar carinho e afeto. A melhor hora para se tornar grande é crescer em pensamentos e lembrar que se o outro errou, você também está sujeito ao erro, mas se não perdoar poderá também não ser perdoado(a).  

A presente obra, bem como todos os textos contidos nesta web página encontram-se protegidos pelas Leis Nacionais e Internacionais de Direitos de Propriedade Intelectual, sendo proibidas as cópias, colagens, reprodução, divulgação ou uso dos conteúdos apresentados neste blog, independente dos meios ou finalidades, sem a autorização expressa do autor Tony Casanova, a quem cabe, única e exclusivamente os Direitos sobre o material apresentado. A violação destes Direitos se constitui crime previsto na Legislação e será punida com os rigores legais.

Para saber mais sobre Tony Casanova e aquisição de suas publicações, acesse ESTE LINK
.....................................................................................................................................................

 Relationship | Betrayal | Because?

 She is the subject of articles in magazines, a subject of humorous jokes and has even a Biblical citation, not a new subject, but which is undoubtedly a reason for discussion and controversy whenever it becomes the center of the discussions. Marital betrayal is for many a trauma, a delicate subject to be discussed, and nothing pleasant to be remembered for involving people whose relationships have been disrupted or even trust in the spouse has been shaken. In some cases the emotional wounds are so deep that they often stop believing in the Marriage Institution. Out of these disappointments, a large number of people find it difficult to engage in new relationships or give credit to new relationships.
  Betrayal, whether it be of any nature, is a most serious error, without justification and without precedent, but which does not justify another mistake: that of imagining that one's lack of character is present in all persons. If we were to think in this way and take this thought to action, there would inevitably be no more courtship, betrothal, and marriage. Another mistake that those who have been betrayed commit is to think that they are to blame, when in fact no one can be guilty of a third party's lack of character. To assert anything in the attempt to justify yourself for betraying is as absurd as the betrayal itself. But what about love, how does it all stand? Well, there begins our journey to understand how the logic of love works and how it can rescue a relationship bound to dissolution.
  Maybe it does not fit in your head, do not even think of forgiving someone who betrays, but there is the paradox hidden in this action. Betraying is wrong, there is not the slightest doubt of it, but does a betrayal not deserve to be forgiven? Rely on it soberly, calmly, without being overwhelmed by emotions. What is the maxim of love as to human relations, is not forgiveness? Is not forgiveness part of the divine character and not one of God's commandments? One mistake is to betray and the other is not to forgive, after all because we do not consider ourselves traitors, does not mean that one day we can not betray either. There is in forgiveness the conception of peace for the soul, of the liberation not only of the one who forgives, but also of the one who is forgiven. Forgiveness represents the zeroing of the account and the resumption, the resumption from the zero of the relation.
  But are there cases where you can not maintain the relationship and save the marriage? Yes, of course it exists, but that does not mean not to forgive. There are cases in which recidivism does not allow the continuity of the relationship due to the enormous number of repetitions of infidelity, which makes any affective bond fragile and ends up eliminating all attempts to rescue trust and maintain security in the relationship. But attempts must be exhausted before final dissolution, because in many cases there is a whole life that has been built together, children involved and bonds that have been created and will not be forgotten so easily. I am not here trying to set parameters for you, each one knows its own limit and the degree of acceptance for each thing. All I am doing is a request that there be more rationality and less emotion in making a decision as important as the definitive separation, remembering that this holds true for men and women and pointing out that betrayal is not a privilege only of men.
  Regardless of what that song says or how that humorist deals with the issue, this problem is very intimate and individual, and each one must seek to act in the most prudent and sensible way possible in order to preserve the physical integrity of the other. Life can not be made of exchange, banalizing existence as if it were discarded. Trying to solve a mistake by committing a crime does not solve anything, on the contrary, it will bring problems for all parties involved and those around them. Before thinking about doing any crazy and insane act, think about your children, they did not betray you and regardless of the couple being together, they need both to give them affection and affection. The best time to become great is to grow in your thoughts and to remember that if the other has erred, you are also subject to error, but if you do not forgive you may not be forgiven.

The present work, as well as all the texts contained in this web page, are protected by the National and International Laws of Intellectual Property Rights, being prohibited copies, collages, reproduction, dissemination or use of the contents presented in this blog, regardless of media or without the express authorization of the author Tony Casanova, who is solely and exclusively responsible for the material presented. The violation of these Rights constitutes a crime provided for in the Legislation and will be punished with the legal rigors.

To know more about Tony Casanova and the acquisition of his publications, visit THIS LINK
....................................................................................................................................................

 Relaciones | Traición | ¿Por qué?

 Es objeto de artículos en las revistas, tema de chistes en los programas humorísticos y tiene incluso citación Bíblica, no siendo un tema nuevo, pero que sin duda alguna es razón de discusión y polémica siempre que se convierte en centro de las discusiones. La traición conyugal representa para muchos un trauma, asunto delicado a ser discutido y nada agradable de ser recordado por involucrar a personas cuyas relaciones se interrumpieron o incluso la confianza en el cónyuge ha sido sacudida. En algunos casos las heridas emocionales son tan profundas que hacen que muchos dejan de creer en la Institución Matrimonio. De estas decepciones un número enorme de personas tienen dificultades para involucrarse en nuevas relaciones o dar crédito a las nuevas relaciones.
  La traición, sea de cualquier naturaleza, es un error gravísimo, sin justificación y sin precedentes, pero que no justifica otro error: El de imaginar que la falta de carácter de uno, esté presente en todas las personas. Si fuésemos a pensar de esta manera y llevar a las acciones este pensamiento, fatalmente no habrían más novios, novios y bodas. Otro error que los que fueron traicionados comete es creer que son ellos los culpables cuando no puede ser culpable de la falta de carácter de terceros. Afirmar cualquier cosa en el intento de justificarse por haber traicionado es tan absurdo como la propia traición. Pero y el amor, ¿cómo queda en esto todo? Pues es, ay comienza nuestra jornada para entender cómo la lógica del amor funciona y cómo él puede rescatar una relación fadada a la disolución.
  Tal vez no caiga en su cabeza, ni siquiera le pase por la idea perdonar a alguien que traiciona, pero está ahí la paradoja escondida en esta acción. Traer es incorrecto, no hay la menor duda de esto, pero ¿será que una traición no merece ser perdonada? Razone sobre esto sobriamente, de manera tranquila, sin dejarse envolver por las emociones. ¿Cuál es la máxima del amor en cuanto a las relaciones humanas, no es perdonar? ¿El perdón no forma parte del carácter divino y no es uno de los mandamientos de Dios? Un error es traicionar y el otro es no perdonar, al final porque nosotros no nos consideramos traidores, no significa que un día también nosotros no podamos traicionar. Está en el perdón la concepción de la paz para el alma, de la liberación no sólo del que perdona, sino también de quien es perdonado. El perdón representa el cero de la cuenta y el reinicio, el reanudamiento a partir del cero de la relación.
  Pero hay casos en que no se puede mantener la relación y salvar la boda? Sí, claro que existe, pero esto no significa no perdonar. Hay casos en que la reincidencia no permite la continuidad de la relación debido al enorme número de repeticiones de la infidelidad, lo que hace frágil cualquier lazo afectivo y acaba por eliminar todos los intentos de rescatar la confianza y mantener la seguridad en la relación. Pero hay que agotarse los intentos antes de la disolución definitiva, incluso porque en muchos casos hay toda una vida que fue construida juntos, hijos involucrados y lazos que fueron creados y que no serán olvidados de forma tan fácil. No estoy tratando de establecer parámetros para usted, cada uno conoce su propio límite y el grado de aceptación para cada cosa. Todo lo que estoy haciendo es una petición de que haya más racionalidad y menos emoción en la toma de una decisión tan importante como la separación definitiva, recordando que esto vale para hombres y mujeres y resaltando que la traición no es un privilegio sólo de hombres.
  Independiente de lo que dice aquella canción o de la forma en que ese humorista trate de la cuestión, este problema es de foro muy íntimo e individual y cada uno debe procurar actuar de la manera más prudente y sensata posible para preservar la integridad física del otro. No se puede hacer de la vida moneda de cambio, banalizando la existencia como si fuera descartada. Intentar resolver un error cometiendo un crimen no resuelve nada, por el contrario, traerá problemas para todas las partes involucradas y aquellos que la rodean. Antes de pensar en hacer cualquier acto traslúcido e insano, piense en sus hijos, ellos no te traicionaron e independientemente de la pareja estar juntos, ellos necesitan ambos para darles cariño y afecto. La mejor hora para llegar a ser grande es crecer en pensamientos y recordar que si el otro se equivocó, usted también está sujeto al error, pero si no perdonar, tampoco puede ser perdonado (a).

La presente obra, así como todos los textos contenidos en esta página web, se encuentran protegidos por las Leyes Nacionales e Internacionales de Derechos de Propiedad Intelectual, siendo prohibidas las copias, collages, reproducción, divulgación o uso de los contenidos presentados en este blog, independiente de los medios o sin la autorización expresa del autor Tony Casanova, a quien corresponde, única y exclusivamente los Derechos sobre el material presentado. La violación de estos Derechos se constituye crimen previsto en la Legislación y será sancionada con los rigores legales.

Para saber más sobre Tony Casanova y la adquisición de sus publicaciones, visite ESTE LINK

Seguidores do Google

Matéria de Hoje

Projeto Roda Cultural | Como Você Pode Ajudar.

  O Projeto Roda Cultural, idealizado pelo escritor  brasileiro Tony Casanova no ano de 2010, tem como objetivo abordar e divulgar temas...

Outras Páginas do Autor

Quem sou eu

Minha foto

Tony Casanova, brasileiro, natural de Salvador-BA, escreve desde 1976 e é fundador e administrador do Projeto Roda Cultural, instituição virtual de apoio ás Artes e Artistas em geral. Autor dos E-books "Panorama da Artes", "No Litoral das Relações" , "Relações Instáveis", "O Amor Fala Francês", "O amor segundo a Bíblia", este último inspirado em uma matéria sua publicada no blog Mesa Farta e que teve mais de 10.000 leitores. O escritor Tony Casanova escreve em vários estilos, tendo herdado suas técnicas a partir de leituras feitas a partir de grandes vultos da literatura brasileira, entre os quais estão Castro Alves, Rui Barbosa, Cora Coralina, Érico Veríssimo, Carlos Drummond de Andrade e outros. Gosta do estilo lírico e tem forte inclinação a esta técnica. O autor tem várias publicações em suas páginas da internet. Entre os gêneros literários que escreve estão a Crônica, Poesia, Poema, Ficção e Romance.